sexta-feira, 23 de junho de 2017

História dos bairros: Trindade.


(Texto de Luciano Campos Tardock)

A Fazenda da Trindade foi adquirida por Francisco José Ramos e D. Thereza Maria Moreaux Ramos, em 19 de julho de 1877 por 14 contos de réis. Seu cultivo era de café, lavoura e gado. Deste matrimônio entre Francisco e Thereza nasceu Leonor Moreaux Ramos, no dia 21/01/1886 em São Gonçalo.
Com a morte dos pais, D. Leonor vai para sua residência no Rio de Janeiro onde estavam seus parentes, mantendo ainda a fazenda Trindade. Ao casar-se mais tarde com Lauro Augusto Corrêa volta para São Gonçalo reativando a fazenda, aumentando a criação de gado, plantação de laranja, abacaxi e outras lavouras, chegando a receber menção honrosa na 1° Exposição-Feira de Produtos Agrícolas e Industriais do Município de São Gonçalo, em 27 de setembro de 1931, no concurso de produtos agrícolas.

Inauguração do Loteamento para o bairro de Trindade, 1951.
Com a morte de seu marido, D. Leonor, seguindo orientação de seu genro Humberto Soeiro de Carvalho, organizou em 11 de dezembro de 1951 a Imobiliária Trindade LTDA, para lotearem a fazenda. Durante 75 anos a fazenda fora conservada pela família, com seus sítios e pomares. O Dr. Humberto Soeiro Carvalho, reservara quatro terrenos: Um para a praça, um outro para a Igreja e outros dois para dois colégios. A praça localiza-se no coração do bairro, a Igreja da Santíssima Trindade no local do antigo oratório e os dois terrenos nos dois pólos do antigo bairro.

Leonor Corrêa.

A Igreja da Santíssima Trindade foi fundada em 25 de maio de 1967. A Sra. Leonor Corrêa, mulher de austera formação católica e esmerada educação, quis construir uma capela onde já existia um pequeno oratório erigido em homenagem à Santíssima Trindade. Neste oratório, de um cômodo, havia uma tela, pintada pelo famoso artista francês François Renné Moreaux, tio-avô da Sra. Leonor Corrêa.

Fonte: Paróquia da Santíssima Trindade - Desenvolvido pela Pastoral da Comunicação Rua Cidade de Campos, s/n - Trindade - São Gonçalo - RJ


(imagem Jornal Daki)
Luciano Campos Tardock é responsável pela página Pró-Memória de São Gonçalo e colaborador do Blog Tafulhar. Formado em História pela Universidade Salgado de Oliveira, Especialista em História Moderna pela UFF e Mestre em História do Brasil também pela Universidade Salgado de Oliveira. 


                                                                                                                       

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Cemitério, lugar de história e arte

                (Texto de Jorge Cesar Pereira Nunes)

                   Cemitério não é o lugar onde apenas se colocam os corpos daqueles que já cumpriram sua missão na Terra. Se foi foco de crendices (tais como a existência de fantasmas, mortos-vivos, etc.) até o passado recente, tal fase está superada, mas ele tem importância não só pelo respeito que se deve aos mortos, quanto pelo que pode representar para a História e a Arte, além de, nos países mais desenvolvidos, ser também atração turística.

                   São Gonçalo não foge à regra, embora aqui, região economicamente pobre, não haja tantos exemplares de arte tumular como em outras cidades, até porque, em momentos passados, perdemos várias obras de arte, pela insensibilidade de burocratas que as destruíram para abrir espaço a novos sepultamentos, ou que estão relegadas ao abandono pelas autoridades.


                   Entre estas últimas, o caso mais exemplar é o do mausoléu do Cônego Goulart, a que vou me referir adiante, depois de um breve intróito sobre a história dos sepultamentos na cidade, aqui iniciados, como em outras partes do país e em todo o mundo ocidental, em torno das igrejas católicas, ou mesmo no interior delas. Aqui, desde a colonização, os enterros eram em volta da Matriz de São Gonçalo de Amarante. E sua administração cabia à Câmara Municipal de Niterói, a partir da criação da Vila Real da Praia Grande, por Dom João VI, em dez de maio de 1819. Em meados do século XIX, por questão de higiene pública, a prática começou a ser condenada na Corte e, em abril de 1852, o presidente da província João Pereira Darrigue Faro encarregou Luiz Pedro Tavares (médico e vereador) de dar início às obras do cemitério da freguesia de São Gonçalo, para encerrar o da igreja matriz, nomeando comissão, composta pelo próprio, o Barão de São Gonçalo e o coronel Francisco Cândido da Fonseca de Brito para obter fundos destinados à obra. Ocorre que o dono do terreno (no caminho do Arraial do Boaçu, hoje Rua Sá Carvalho), João Ferreira Pinto, opôs embaraços, porque queria doá-lo, mas só em parte e a Província desejava toda a área. Após negociações, em 20 de julho era feita a doação pretendida pelo proprietário e a Província comprou a parte restante. Mesmo assim, nada foi feito, já agora pelo protesto dos vizinhos.

                   Em 19 de setembro de 1855, o presidente da província Visconde de Baependy baixou o decreto nº 776 proibindo enterros nas igrejas da Imperial Cidade de Niterói e determinou a contratação de irmandades ou particulares para fazê-lo. Embora São Gonçalo fosse, à época, distrito da capital da província, aqui continuou tudo na mesma. Treze anos depois, em 15 de outubro de 1868, a Câmara Municipal de Niterói solicitou à província a criação dos cemitérios de São Gonçalo e de Cordeiros, mas nada foi alterado até 1877, quando o presidente da província, Francisco Antônio de Souza, determinou a construção do primeiro deles, concluída em oito de setembro daquele ano, data em que começou a funcionar. Dois anos depois, o presidente da província Américo de Andrade, pela lei nº 2434, de 15 de dezembro de 1879, concedeu terrenos extra-muros do cemitério público para que as irmandades de São Gonçalo, do Santíssimo Sacramento, de São Miguel e Almas e do Divino Espírito Santo construíssem seus campos santos, incorporados ao principal, após o advento da República.

                   Não era lá essas coisas, tanto que, em 1901, a capela mortuária (então chamada de necrotério) do hoje denominado Cemitério Principal era uma casa velha, em ruínas, o que levou o cidadão Carlos Campello a fazer subscrição pública para reconstruí-la. Conseguiu seu objetivo e, em 26 de outubro de 1902, inaugurou as obras com festa, banda de música e fogos de artifício. Carlos ficou tão emocionado com o evento, que enfartou e morreu ali mesmo (tornando-se o primeiro utilizar a capela mortuária). Com o passar do tempo, o cemitério ficara pequeno (tão pequeno que já em 31 de agosto de 1900 a Câmara Municipal aprovara proposta do vereador Joaquim Serrado para venda de terrenos de propriedade dela e a aplicação dos recursos na ampliação da necrópole, o que não ocorreu) para a cidade e, por isso, foi ampliado em 1917 com a compra, pela prefeitura, de terreno contíguo de cerca de dois mil metros quadrados, ao fazendeiro Joaquim Capote (patrono da Estrada do Capote, em Tribobó). A parte ampliada foi inaugurada em 26 de maio daquele ano, pelo prefeito Artur César de Andrade Júnior. 
Mausoléu do Cônego Goulart, emancipador do município, no Cemitério de São Gonçalo (Autor: Jorge Cesar Pereira Nunes; data: 10/03/2010).


                   É lá que está um dos principais monumentos da cidade. Em 11 de março de 1903, faleceu o cônego Goulart, figura exponencial da emancipação do município, ex-deputado provincial e estadual, ex-senador estadual e ex-vereador, que doou aos pobres a sua parte na herança deixada pelos pais, donos da Fazenda da Luz e de vários outros imóveis. Em 24 de abril daquele ano, foi constituída comissão para a construção de seu mausoléu, dela fazendo parte Francisco Rodrigues de Miranda (dono de O Fluminense), Manuel Antônio Álvares de Azevedo Sobrinho (dono de A Capital), Alfredo Mariano de Oliveira (irmão do poeta Alberto de Oliveira), capitão de mar e guerra Joaquim Francisco Correia Leal (depois, almirante), Alfredo Azamor, José Pinto de Araújo Corrêa, Osório da Silveira e Manuel Benício. Arrecadados um conto e 15 mil réis, foi a obra projetada pelo artista Inácio José de Souza e executada pela firma José Vieira da Costa, do Rio de Janeiro, RJ. Tinha 3m10cm de altura (hoje diminuída pelos sucessivos aterros da área) e a inscrição “Bom, justo e caridoso” na cruz estilizada e, sobre a campa, “Cônego Goulart – O Cônego João Ferreira Goulart nasceu a 12 de outubro de 1844, neste município, e faleceu a 11 de março de 1903. Filho legítimo de Manoel Ferreira Goulart e dª Clara Maria Goulart. Homenagem de seus amigos”. A inauguração ocorreu a 13 de novembro de 1904, presentes, entre outros, o ex-governador Francisco Portela e o desembargador Ventura de Albuquerque. Pela família, falou Joaquim Luiz Soares, Alfredo Azamor leu poema em memória de Goulart e o coronel (da Guarda Nacional) Belarmino Ferreira da Silva, em nome da comissão, concluiu com uma frase, séria no momento e irônica hoje: “entrego este mausoléu aos cuidados do Município”.   
 
                   Se tem sido desrespeitoso o tratamento à memória de Goulart, ao longo destes anos, pela falta de manutenção de seu jazigo, o mesmo não ocorreu com a menina Leonor Brandão (descendente do médico Luiz da Silva Brandão, um dos mais influentes na Corte e em São Gonçalo, de cujo sobrenome surgiu a denominação da Ponte e do Rio dos Brandões, depois Brandôas e, hoje, Brandoa, no singular), falecida em 16 de setembro de 1905, cuja sepultura é um marco de arte tumular e está intacto, ao menos até o princípio de 2012, quando lá estive. Ali está a obra do escultor italiano Francesco Orlandi Petrucci (nome depois aportuguesado para Francisco Orlandi Petrúcio), que chegou ao Brasil por volta de 1876, trabalhou com Jerônimo Henrique de Castro na construção do mausoléu do Barão de São Gonçalo no cemitério do Carmo, no Rio de Janeiro, RJ, e abriu sua própria oficina em Niterói. Ele e Jerônimo foram os últimos remanescentes da arte tumular italiana entre os fluminenses.
                   Como há o cemitério nacional, o São Francisco Xavier, no Rio, por ali estarem os restos mortais das principais figuras do Império e do princípio da República, e em Niterói há o cemitério histórico de Maruí, onde repousa a maioria dos governantes fluminenses e de outras personagens de relevo, como o poeta francês Charles Ribeyrolles, assim também o de São Gonçalo é histórica e artisticamente importante por ter em suas sepulturas os despojos de grande número de prefeitos gonçalenses e de outras figuras de destaque na vida da cidade.

                   Pode-se dizer o mesmo do Cemitério de Cordeiros, hoje chamado de Santa Isabel, onde estão sepultados numerosos membros da família do presidente (governador) Alfredo Backer, cujo princípio remonta ao século XIX, quando, em 12 de março de 1842, o fazendeiro Lourenço Lopes de Jesus doou à província 50 braças de terras para a construção da Matriz local, ensejando a criação da freguesia. Acontece que a comunidade não fez nada durante os 16 anos seguintes, obrigando a Câmara Municipal de Niterói, em nove de dezembro de 1858, a optar por outro local (Pachecos) para a instalação da matriz e de um cemitério. O desenvolvimento destes levou a reclamações e, sobretudo, a que a sociedade local arregimentasse recursos próprios para as obras que deveria ter feito muito antes. O cemitério foi o primeiro construído e quase teve seus sepultamentos suspensos em seis de novembro de 1875, quando o vereador Duque Estrada Júnior requereu à Câmara Municipal de Niterói que ali não mais houvesse enterramentos, porque outra necrópole já estava funcionando em Pachecos. Sua proposta não foi adiante, devido à oposição da comunidade cordeirense, que achava muito distante o outro cemitério, com vários rios impossíveis de serem atravessados em dias de chuva. 
Herma de homenagem ao Barão de São Gonçalo, no Cemitério de Pacheco (Autor: Jorge Cesar Pereira Nunes; data: 10/03/2010)


                        Igualmente importante é o Cemitério de Pachecos, que (diz a lenda) tem uma preciosidade, qual seja o coração do Barão de São Gonçalo em um monumento que só não foi abaixo graças ao ex-vereador Altino da Silva Diaz André, cultor da História. Na década de 1980, foi lá honrar a memória de seus antepassados quando viu que dito monumento começava a ser posto abaixo. Interrompeu as obras, chamou o administrador e dele recebeu um argumento chocante: isso é muito velho. Com a ameaça de recorrer à Justiça e de chegar ao desforço físico, se tanto fosse necessário, impediu a sandice. A história daquele cemitério também é cheia de conflitos: inicialmente, a construção deveria ter sido em Cordeiros, mas a Câmara Municipal de Niterói recebeu a oferta de doação de vasta área da então fazenda de Nossa Senhora da Penna, de propriedade de Custódio Francisco Figueiredo Ramos e Matilde Leonor da Costa Ramos e a aprovou, por ser, a seu juízo, melhor localizada. Em 14 de outubro de 1855, o Barão de São Gonçalo informava ao presidente da província Luiz Antônio Barbosa que a necrópole estava pronta e iniciaram-se ali os sepultamentos.

                   Resta o Cemitério de São Miguel (entre os públicos) que, por ser relativamente recente, ainda não tem tanta história nem arte como os demais. Mesmo assim, lá estão os despojos de grande parte das vítimas do incêndio do Circo Norte-Americano (aliás, motivo de sua criação), em 17 de dezembro de 1961, os do prefeito Jayme Mendonça de Campos e os de George Savalla Gomes, o palhaço Carequinha, artista circense de renome nacional.
Monumento em memória aos judeus vítimas do holocausto nazista, no Cemitério Israelita de São Gonçalo (Autor: Jorge Cesar Pereira Nunes; data:11/03/2010).


                   Há três cemitérios particulares na cidade: o Parque da Paz, em Pachecos, inaugurado em setembro de 1993, onde está sepultado o ex-prefeito e ex-governador Geremias de Mattos Fontes (é em tal cemitério que está surgindo uma nova prática fúnebre: como a administração proíbe colocar cruzes e acender velas, os parentes dos mortos passaram a instalar cataventos, criando-se uma nova forma de arte popular tumular); o Parque Niterói, apesar do nome ironicamente instalado em Vista Alegre, quase no limite de São Gonçalo com Itaboraí; e o mais importante deles, do ponto de vista histórico, que é o israelita, na Rua Sá Carvalho, entre o centro e o bairro Boaçu, considerada a mais limpa e bem tratada necrópole gonçalense. Seu terreno foi comprado pela comunidade judaica em 1925, mas o primeiro sepultamento só ocorreu em 1927. Antes da atual denominação (e mesmo ainda hoje, por uns poucos, é verdade) aquela via pública era conhecida como Caminho das Almas e o cemitério como “dos gringos”. A primeira denominação vem do século 19, quando uma epidemia de peste bubônica varreu a cidade em 1855 e o grande número de mortos não podia ser sepultado no cemitério que então funcionava em torno da Igreja Matriz; então, foi usada a área que pertencia à Província desde 1852 para que ali fossem feitos enterramentos excedentes, dando origem ao Mato das Almas e, depois, Caminho das Almas. O Cemitério Israelita de São Gonçalo é administrado pelo Centro Israelita de Niterói, presidido por Jacob Lipster, médico que durante vários anos atuou no Pronto Socorro gonçalense. Além de túmulos com inscrições em hebraico, ele conta, junto a uma amendoeira mais que centenária, com um memorial dedicado às vítimas do holocausto praticado pelo regime hitlerista. No local está enterrado um sabão feito com gordura humana pelos nazistas e ali há uma solenidade anual em memória das vítimas do holocausto, celebração realizada em data móvel, entre o Ano Novo Judaico (Rosh Hashna) e o Dia do Perdão (Yom Kipur).


Fontes: Relatórios dos Presidentes da Província do Rio de Janeiro de 03-05-1852, p. 87; de 26-11-1865, p. 80; de 15-10-1868, anexo das Câmaras Municipais, p. 6; e de 08-09-1877, p. 19.
              Legislação provincial, de 1835 a 1889.
              Emmanuel de Macedo Soares, pesquisador em História.
              O Fluminense, 29-10-1902, p. 2; 12-03-1903, p. 1; 25-04-1903, p. 1; 14-11-1904, p. 1; e 26-05-1917, p. 1.
              Correio Official da Província do Rio de Janeiro, nº 33, 12-03-1842, p. 2.
              A Pátria, 07-03-1856, p. 3; 23-06-1872, p. 4; 27-08-1874, p. 3; 28-08, p. 4, 02-09, p. 3, 30-09, p. 3, 06-11, p. 2; 22-11, p. 2, e 11-12-1875, p. 3; 19-02, p. 2, e 11-07-1876, p. 3.
              Correio Mercantil, 24-09-1857, p. 1; e 17-03-1859, p. 2.
              A Nação, 16-11-1874, p. 2.
              Ata da Assembleia Legislativa Provincial, sessão de 23-09-1857.
              Atas da Câmara Municipal de Niterói, sessões de 09-12-1858; 20-06-1872; 29-07-1874; 26-07, 19-10 e 30-10-1875.  
              A Capital, 13-10-1904, p. 2 e 3; 04-11-1904, p. 2; e 14-11-1904, p. 1.
              Jazigo nº 200, da quadra 2, do Cemitério de São Gonçalo.
              Jacob Lipster, médico, presidente do Centro Israelita de Niterói.
              Alcides Carneiro do Nascimento, funcionário do Cemitério Israelita de São Gonçalo.

Jorge Cesar Pereira Nunes é Bacharel em Direito, Jornalista e Pesquisador da História de São Gonçalo.
É, também, autor das seguintes obras:
A criação de municípios no Estado do Rio de Janeiro;
Chefes de Executivo e Vice-Prefeitos de São Gonçalo;
Dirigentes Gonçalenses - Perfis;
Crônicas Históricas Gonçalenses I e II.

                       

segunda-feira, 27 de março de 2017

Manoel de Lima, um homem bom


(Texto de Pereira da Silva, Pereirinha)

(imagem, O São Gonçalo)
 

Médico, odontólogo, vereador e prefeito, Manoel de Lima foi, sobretudo, grandioso e humano como pai, esposo e amigo. Foi um humanista que dedicou a vida a cultivar, conciliar e harmonizar amizades. Estudou, trabalhou, enfrentando percalços e vencendo obstáculos que para muitos do seu tempo, e mesmo neste nosso tempo, seriam intransponíveis, mas que para ele, homem de fibra, foram desafios a serem superados e vencidos.

A par das dificuldades, que sempre foram muitas para os lutadores como ele, Manoel de Lima era prestativo, bondoso, compreensivo, amável e piedoso.  Nunca lhe passara pela cabeça ser um duplo. Sempre fora uno, inigualável em quaisquer situações, pois a humildade foi a marca da sua humanidade.

Amigo, leal e fiel aos princípios de respeito aos amigos, políticos ou não, Manoel de Lima jamais duvidou da sinceridade e da lealdade dos que o cercavam. Alto, robusto, difícil imaginar que naquele corpanzil habitavam e reinavam duas almas, a do gigante humano e a da criança, que se deliciava em contar e ouvir histórias fantásticas. Às crianças, sejam as que com ele conviviam mais assiduamente, sejam as que dele se acercavam, aproximando-se timidamente ou em alvoroço de inocência, Manoel de Lima se abandonava em carinho e afeto.

Com a esposa Solange, que faleceu antes dele, Manoel de Lima era a criança que sabia ouvir as palavras que calavam em seu coração. Aos amigos e aos filhos, Manoel de Lima transmitia confiança e esperança, acreditando e confiando sempre na vida que um dia seria melhor, venturosa e radiosa.
Foi um homem bom, o nosso Manoel de Lima, que faleceu dia 24 de março de 2017 às vésperas de competar 86 anos de idade, que faria dia 20 de maio. Foi velado no Palácio 22 de Setembro, sede da Câmara Municipal de São Gonçalo, que presidiu em várias ocasiões e como chefe do Poder Legislativo chegou a assumir a chefia do Poder Executivo da cidade que amou e dedicou parte considerável de sua existência.

Do velório ao Cemitério de São Gonçalo, onde foi sepultado dia 25, fez-lhe companhia os filhos Manoelzinho, Zezinho e Fabinho, além de numeroso grupo de amigos, entre estes Osmar Leitão Rosa, que foi vereador, prefeito e deputado federal. A TV Ponto de Vista, no Programa Bom Dia São Gonçalo, sob o comando de Frederico Carvalho, com a participação dos jornalistas Rujany Martins, Jota Sobrinho e Pereirinha, Darc Freitas de Andrade e Analuz Antunes, prestou significativa homenagem ao Manoel de Lima, tendo recebido telefones de várias admiradores do médico, dentista e ex-vereador, entre os quais os médicos Adir Martins e Abel Martinez.


Sobre o Autor:

Pereira da Silva, o popular Pereirinha, atua no programa da TV Ponto de Vista, intitulado "Bom Dia São Gonçalo" é  editor do jornal Metrô Car e colunista dos jornais Monitor Mercantil, Jornal de Hoje e Toda Palavra, da editora Nitpress, de Niterói, e primeiro secretário da União dos Jornalistas e Comunicadores de São Gonçalo - UNIJOR


­­­­­­­­­­­­­­­­­­

sábado, 18 de março de 2017

Lavourão, um patrimônio adormecido, no coração da cidade

(Texto de André Correia)

Dia 10 de março de 2017, estive no Centro Cultural Joaquim Lavoura para o Show de comédia em pé do grupo “Descontrarindo”. A entrada, um quilo de alimento, foi doada para o Abrigo Cristo Redentor. A mesa de doações ficou farta, ressaltando quem levou até leite em pó para os idosos.
A Secretaria de Cultura, com toda sua equipe, imprimia um abraço largo aos convidados. O brilho das centenas de sorrisos flamejam de alegria o velho prédio cultural. Os meninos da comédia fizeram um evento à altura da ilustre plateia: artistas, músicos, secretários, patrocinadores e gente comum de verdade. É a arte de construir movimentos humanos com uma dose de pouco recursos e uma pitada de quase nada. A Dedicação foi a palavra-chave para aquela noite. Alegria foi o sobrenome da festa.
O Centro Cultural foi inaugurado em 22 de setembro de 1988, no governo Hairson Monteiro. Nessa época, CULTURA era apenas um departamento da Secretaria de Educação. Previsto para ter 6 andares, o prédio parou no 4º por falta de verba.
Era o que havia de melhor em construção. Revestido em mármore e com acesso para cadeirantes, o orçamento de 500 mil dólares não foi suficiente para dar conta da obra. Uma revolução em termos de “Aparelho Cultural”.
Foi pensado como um espaço para abrigar setores administrativos de uma vertente que crescia em importância e que, em breve, se tornaria uma Secretaria. A cultura apontava para ser a principal ferramenta da Secretaria de Educação até construir seu espaço independente e convergente.
O plano não foi pra frente. A Secretaria de Cultura tornou se uma realidade apenas no ano de 2001, graças à força dos movimentos sociais que reverberavam o “fazejamento” cultural daquela década.

Plateia, artistas e equipe da Secretaria de Cultura no Centro Cultural Joaquim Lavoura
(Plateia, artistas e equipe da Secretaria de Cultura no Centro Cultural Joaquim Lavoura)












            Consolidando o Lavourão como um dos polos de cultura da cidade

Hoje, em estado de calamidade declarado, o governo municipal promoveu o achatamento do setor em nome da crise. É preciso corrigir o curso da história, pois o Centro Cultural Joaquim Lavoura nunca desempenhou o papel para o qual foi destinado. Esprimida em apenas um dos andares do prédio, a Secretaria de Cultura e a FASG depende exclusivamente da criatividade e da profissionalização dos gestores. Não possuem concursados ou política pública de médio e longo prazo.
Atendendo a lógica da promoção, o espaço deve atender a demanda do setor cultural que não diminuiu após o achatamento promovido pelo Governo Nancy. O gerenciamento do prédio precisa atender a demanda da Sociedade Civil : Projetos, eventos, cursos, profissionalização, aulas e administração. Um espaço de vivência e conexão com a importância da cultura no processo de formação da cidade e do ser humano. E se mover ao contrário carecemos entender os motivos.

Sobre o autor:
André Correia é professor, historiador e criador do Projeto Cultural Alternativo, criado na Faculdade de Formação de Professores da UERJ. O grupo foi criado para promover o saber e difundir a cultura gonçalense na universidade. O projeto deixou a Sociedade Acadêmica e ampliou o arco de atuação na Sociedade Civil, organizando-se em duas vertentes voluntárias: GT Bem Estar, com ênfase na Proteção aos Animais e o GT Cultural, com ênfase no Patrimônio, na História e na Memória regional. O professor André atua na internet e mídia escrita.
(Texto postado, originalmente, na página Sim São Gonçalo)